CHEGOU O TOM ZÉ NO CASCUDO E LOAS

tom

“Tom Zé é um gênio”, me disse outro dia a minha filha Clarissa. Ela tem razão, quer ver?

Tô – Tom Zé

Tô bem de baixo prá poder subir

Tô bem de cima prá poder cair

Tô dividindo prá poder sobrar

Desperdiçando prá poder faltar

Devagarinho prá poder caber

Bem de leve prá não perdoar

Tô estudando prá saber ignorar

Eu tô aqui comendo para vomitar

Eu tô te explicando

Prá te confundir

Eu tô te confundindo

Prá te esclarecer

Tô iluminado

Prá poder cegar

Tô ficando cego

Prá poder guiar

Suavemente prá poder rasgar

Olho fechado prá te ver melhor

Com alegria prá poder chorar

Desesperado prá ter paciência

Carinhoso prá poder ferir

Lentamente prá não atrasar

Atrás da vida prá poder morrer

Eu tô me despedindo prá poder voltar

À guisa de curiosidade, devo dizer que conheci Tom Zé nos meus tempos de repórter da Folha e da extinta revista Visão.

Certo dia, seguindo pauta do editor Osvaldo Mendes, fui entrevistar o iraraense Tom Zé, que estava ameaçando abandonar a carreira profissional de artista, por ninguém mais dele se lembrar; e por dele não se lembrar, naturalmente lhe faltava convites para fazer shows por aí a fora. E olha que o Tom foi um dos criadores do polêmico movimento tropicalista. Depois dessa entrevista, coincidentemente, o líder do grupo musical Talking Heads, David Byrne, encontrou num sebo do Rio do Janeiro o LP Estudando o samba. A partir daí a vida de Tom Zé teria uma grande reviravolta com a contratação do Tom para gravar nos Estados Unidos.

E pronto. Tom Zé teve o reconhecimento que tão bem Clarissa observa.

CASCUDO para o esquecimento que habitava a carreira de Tom.

LOAS tem Tom, o Tom Zé sempre talentoso.

 

assis-1