LIÇÃO DOS JOVENS PAULISTAS É O TÍTULO DE NOSSA COLUNA DE HOJE

Mais um ano de trabalho chega ao fim e todos já pensamos nas férias, e que lições tivemos sobre a escola?
Eu gostaria de colocar em destaque o que aprendemos com os estudantes paulistas. Sim, sem sombra de dúvida uma verdadeira aula de cidadania e de como manter a escola “viva”. Os estudantes mostraram que a relação entre escola e alunos nunca mais será a mesma. É preciso que haja compromisso do governo com o futuro de quem tem na escola um dos momentos mais importantes de suas vidas.
A conscientização adquirida fará muita diferença frente a diretores e professores autoritários, e a gestão precisa ter a participação de todos os envolvidos no projeto político pedagógico. Saliento também que a ida da comunidade às escolas foi e sempre será muito importante dentro dessa cultura. Foram pais, amigos, artistas, todos que participaram dessa verdadeira revolução que culminou na revogação de um decreto que setorizava escolas por ciclos de aprendizado e ainda causou a queda do secretário de educação, os verdadeiros vitoriosos do movimento. Eles expuseram que currículos diferenciados e novas formas de aprendizados, associados a muita cultura e esportes podem salvar escolas que caminhavam para a “morte”.
Ficou registrado também o quanto se perde de dinheiro público com almoxarifados lotados de equipamentos eletrônicos e livros não utilizados dentro dos prédios, coisas que poderiam facilmente ser resolvidas se estivessem ao alcance dos olhos de todos os interessados numa escola melhor. Muitos professores tradicionais ainda acham que a participação dos alunos não é importante em tomada de decisões mesmo em tempos de informação rápida e fácil. Mas precisamos mudar, o corpo docente precisa fazer urgentemente essa reflexão e reformular às ações.
O processo não pode ser imposto, e as coisas não mudam de um minuto para o outro, mas acredito no diálogo e na pressão exercida por estas manifestações de descontentamento. Infraestutura diferenciada, deixar a verticalidade das imposições e participação ativa de todos na gestão é a grande missão. Escola democrática é construída com muito diálogo e 2016 esta aí pra isso.
Obrigado crianças e adolescentes de Sampa!
cleber