FAVELA QUE FICA NA ÁREA NOBRE DO RIO CONTINUA COMO A LETRA DOS POETAS: O morro não tem vez

A Rocinha é um bairro localizado na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro. A favela se localiza entre os bairros da Gávea e São Conrado. Região nobre. Possui o 12º metro quadrado mais valorizado da cidade

A Rocinha é um bairro que fica na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro. A favela se localiza entre as áreas da Gávea e São Conrado. Região nobre. Possui o 12º metro quadrado mais valorizado da cidade.

O morro não tem vez

E o que ele fez já foi demais

Mas olhem bem vocês

Quando derem vez ao morro

Toda a cidade vai cantar

Para ouvir http://letras.mus.br/tom-jobim/49053/

A letra do centenário Vinicius de Moraes com o parceiro Tom Jobim mostra que as desigualdades continuam as mesmas desde quando foi composta para o musical “Orfeu da Conceição” em 1956. Muito pouco mudou no Brasil das desigualdades.

Nosso país sempre chamou a atenção do restante do mundo sobre como as diferenças convivem harmoniosamente lado a lado. Um exemplo emblemático é o bairro de São Conrado, no Rio, que abriga um dos metros quadrados mais caros do mundo convivendo com a maior favela da América Latina, a Rocinha.

A pesquisa divulgada recentemente pelo IBGE aponta que as melhorias educacionais ainda não refletiram no nivelamento dessas diferenças. Mesmo com o maior acesso ao ensino, através de financiamentos e bolsas, apenas 1,6% dos moradores dessas áreas carentes possuem nível superior, enquanto que no restante das cidades, pulou para 14,7%. O que reforça que o acesso ao ensino ainda não está disponível para todos.

Voltando ao Rio de Janeiro de “Orfeu da Conceição”. A ex-capital Federal registra as primeiras favelas do país, quase sempre se equilibrando em penhascos. Tanto que no uso popular, por muito tempo, morro era entendido pelo carioca somo sinônimo de favela. No entanto, neste quesito, a pesquisa mostra que não é mais assim. Agora, 55% estão em áreas planas.

Na questão territorial os dados repetem falta de planejamento, estrutura e de acessibilidade para portadores de deficiência. 73% não possuem espaçamento entre uma residência e outra. Ou seja, pessoas convivendo num emaranhado de residências amontoadas.

Barracão de zinco

Sem telhado, sem pintura

Lá no morro

Barracão é bangalô

Lá não existe

Felicidade de arranha-céu

Pois quem mora lá no morro

Já vive pertinho do céu

Para ouvir: http://letras.mus.br/joao-gilberto/128185/

Mas nem tudo está igual como na música “ Ave Maria do Morro ” de Herivelto Martins.

Primeiramente um dado positivo. O IBGE revela que os moradores dessas comunidades hoje possuem os mesmos bens domésticos do que os demais. O barracão de zinco também não existe mais. São casas de alvenaria e essas comunidades, cada vez mais, crescem de forma horizontal. São as lajes que vão dando lugar a outros pavimentos e criando prédios desordenados. Tanto que se perceberem no emaranhado de dados estatísticos deste estudo do IBGE, apenas 64% das residências atuais possuem apenas um pavimento.

E o morro inteiro no fim do dia

Reza uma prece ave Maria

Outra questão que mudou foi a religiosidade. A ave Maria das Seis Horas não é mais uma unanimidade. Cresce as conversões em religiões evangélicas nessas comunidades e chega-se ao ponto das denúncias, que começaram a surgir este ano, de “ traficantes de Cristo ” impedindo em áreas dominadas as práticas de religiões afrodescendentes, que por décadas conviveram através do sincretismo do Catolicismo registrado em “ Ave Maria do Morro ”.

carto-postal-do-rio-de-janeiro-antigo-ano-de-1957_MLB-F-188029056_6507

SAIBA MAIS – As cinco maiores regiões metropolitanas brasileiras concentravam 59,3% dos moradores de favelas de todo o país. Desse total, 18,9% viviam na Grande São Paulo e 14,9% no Rio de Janeiro e nas cidades do seu entorno metropolitano. As demais regiões na lista das cinco eram Belém, Salvador e Recife.

Segundo Maria Amélia Villanova, técnica do IBGE, a ocupação de favelas é um processo histórico no país e se deu de modo diferente nas diversas regiões brasileiras, mas sempre caracterizado pela presença de população mais pobre e em moradias sem as mesmas condições de outras áreas, com acesso mais difícil, sem infraestrutura adequada em muitas localidades e, em geral, sem posse irregular do terreno ou imóvel.

download-81LUIZ ANDRÉ FERREIRA – é colunista “Em Pauta”, no POR DENTRO DA MÍDIA.Um espaço de conteúdo que é realmente merece ficar em pauta. A mobilização da sociedade e do jornalismo construtivo sempre às segundas-feiras no POR DENTRO DA MÍDIA

Luiz André Ferreira – é mestre em Projetos Sociais e Mestre em Bens Culturais pela Fundação Getúlio Vargas Professor da ESPM, Facha e Estácio Diretor da Rádio Roquette Pinto no Rio de Janeiro desde 2008. Ex-chefe de jornalismo da Bandnews RJ. Redator e Editor das Rádios CBN, e Globo. Passagens pelo Jornal do Brasil, Folha de São Paulo, Agência Reuters. TVs Band, Manchete, Rede TV, TVE, Canal 21. Rádios Eldorado e Bandeirantes (SP), Tupi, Nacional. Ex-Colunista da Rede Vida de TV e da edição em português do Jornal Le Mond.