“CIDADÃO DE PAPEL” o livro do jornalista Gilberto Dimenstein está nos palcos

download (53)O texto do jornalista Gilberto Dimenstein considerado um clássico instantâneo em cidadania foi publicado pela primeira vez em 1994, o volume completou 18 anos em 2012 e está na vigésima terceira edição com textos reformulados e informações atualizadas.

REALIDADE URBANA, por Evan Aires

Com a essência de conscientização é o que notamos na peça “Cidadão de Papel” – Levando Cidadania através do teatro. O espetáculo tem a direção e produção de Régis Santos, que é um dos fundadores da Cia. Usina Paulistana de Artes, que é responsável pela direção e produção do texto.

Cidadão de Papel” no teatro tem as linhas e mais linhas de Celso Cruz, autor teatral que buscou os fundamentos da obra do jornalista Gilberto Dimenstein, com propósitos de: conscientização e reflexão a desigualdade social e as preocupações permanentes de fatores sociais como: drogas, prostituição, exploração e violência urbana nas cidades brasileiras.

Elenco de Cidadão de Papel (Foto de divulgação)

Elenco de Cidadão de Papel (Foto de divulgação)

Com personagens vivendo o nosso cotidiano “real” o espetáculo tem como perfil a nova geração e a fase da adolescência da classe média, misturada nas ruas e que vivem dentro dos seus carros, mas estão – lado a lado – dos emergentes vendedores ambulantes nas ruas e avenidas.

E, ainda com a participação no enredo da figura do catador de papel, aquele mesmo que é marginalizado, mas está presente em todas as décadas das vivências da sociedade. Com o efeito midiático da tendência e do comportamento chamado de verde, que atualizado ganha o nome de gente ligada a sustentabilidade.

Para ter o valor e peso para a reflexão, a peça realista tem a história de quem nasce, cresce e vive de forma explorada e largada, que é a criança que mora nas ruas.

O roteiro é gradual e envolvente. A cada momento percebemos a reviravolta em que os atuantes de “Cidadão de Papel” dão a existência ao significado da solidariedade.

O espetáculo é voltado para o público infanto-juvenil, mas também para pais e mães. Para que todos tenham a oportunidade do exercício de “pensar” sobre a importância da inclusão social, do viver em conjunto e o que é possível mudar na realidade.

EVAN AIRES, colunista do POR DENTRO DA MÍDIA com o elenco e a direção do peça ” Cidadão de Papel”.

EVAN AIRES, colunista do POR DENTRO DA MÍDIA com o elenco e a direção do peça ” Cidadão de Papel”.

 

ENTREVISTA: DE ATOR PARA DIRETOR

Evan Aires – Quando fui prestigiar o espetáculo “Cidadão de Papel” logo percebi que a plateia estava tomada por professores e alunos. O objetivo é levar ao teatro jovens estudantes?

Régis Santos – Sim a tua observação tem fundamentos. Mas procuramos propiciar uma divertida reflexão sobre cidadania, prioritariamente a juventude. O espetáculo é pensado e concebido para adolescentes, porém não apenas para eles, pois a abordagem dos temas também é voltada aos adultos. As escolas têm sido o caminho mais próximo e funcional para chegarmos ao nosso público-alvo.

Evan Aires – No final da apresentação teve um bate papo entre o elenco e o público e testemunhei uma jovem aparentemente com mais de 30 anos, dizer que era a primeira vez que assistia a uma peça. O teatro é inclusão cultural?

Régis Santos – Sim, acho que exercitar a cidadania é também consumir cultura. Viabilizar o acesso a esse consumo é uma de nossas prioridades como artistas, por isso nosso projeto, além de artístico pedagógico é formativo também quanto ao público. É muito importante ir ao teatro de graça, rir bastante, se emocionar, mas também refletir sobre as contradições e os direitos do povo brasileiro como cidadãos.

Evan Aires –  O espetáculo ” Cidadão de Papel” sou por várias cidades no interior de São Paulo antes de chegar a capital. A Cia Usina Paulistana de Artes vai seguir com essa modalidade de levar para mais cidades o teatro?

Régis Santos – Planos sempre temos e estamos tentando viabilizá-los. Acreditamos ser de grande importância propagar a reflexão sobre cidadania através do teatro para adolescentes em todo o Brasil. Queremos ir para outros estados, sim, pelo tema e por compreendermos que existem muitas peças de teatro para crianças e adultos, mas quase nenhuma opção para adolescentes. Fica o questionamento: por que o jovem não vai ao teatro? A minha resposta é que eu busco mudar essa realidade. 

Evan Aires – Quais são os seus próximos projetos como diretor, produtor e mobilizador da Cia. Usina Paulistana de Artes?

Régis Santos – Em breve começam os ensaios da dramatização teatral do SAMBA CÊNICO DA ROSEIRA, onde sou idealizar, pesquisador e diretor de criação artística da Escola de Samba Rosas de Ouro (espaço cultural em São Paulo). Pretendo continuar, caso tenha patrocínio, com o projeto “CIDADÃO DE PAPEL – levando cidadania através do teatro”, para mais locais, inclusive em outros estados. Tenho um trabalho em fase de produção que vai de encontro mais uma vez com o público adolescente. É um projeto marcante de um parceiro do norte do país, de Amazonas, que é baseado na obra do escritor Machado de Assis. Esse será uma ação de estímulo à leitura. Com formato de comédia musical rico em suspense. E, como estamos na fase final do ano, também estou com uma proposta de uma peça adulta com mais um músico. Trata-se de um monólogo. Enfim, muitos planos para 2014.

 

3CIDADÃO DE PAPEL – LEVANDO CIDADANIA ATRAVÉS DO TEATRO

EM SÃO PAULO

CIDADÃO DE PAPEL

Teatro João Caetano: Rua Borges Lagoa, 650. Vila Clementino – São Paulo – (11) 5573-3774/ (11) 5549-1744

Temporada: 20 de setembro a 20 de outubro (depois na Sala Olido de 02 a 17 de novembro – (11) 3331-8399).

Quando: sextas e sábados as 20h00 e aos domingos as 19h00.

Ingresso: Gratuito (retirar ingressos com uma hora de antecedência)

No elenco: Aidê do Amaral, Clau Cicotosti, Cleiton Bars, Danilo Bethon,Marilia Adamy, Neusa Maria, Raphael Bueno e Walmir Santana.

Direção e Produção: Régis Santos

Classificação: 12 anos.  

MAIS SOBRE :

hukRÉGIS SANTOS E A USINA PAULISTA DE ARTES. Usina Paulistana de Artes foi criada em novembro de 2004, por Régis Santos, ator, produtor cultural, diretor teatral e professor de interpretação. Um lugar plural no âmbito artístico, onde formadores de opinião, artistas, curiosos, consumidores de artes em geral e pessoas questionadoras, se encontram para trocar, discutir e refletir sempre relacionadas a arte. Com o intuito de contribuir com a cidade de São Paulo, na geração de energia criativa e construtiva no contexto artístico em geral.

Contato: http://usinapaulistadeartes.blogspot.com.br/

CELSOCELSO CRUZ é um homem versátil. Diretor de teatro, dramaturgo, poeta, jornalista e publicitário, dá aulas na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), na faculdade Mackenzie e Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP). Formado em direção teatral pela ECA, foi professor da escola Macunaíma. Além de dirigir e escrever, Celso já atuou.Seus espetáculos, em especial “Licurgo – Olhos de Cão”, “Só As Gordas São Felizes”, “Werther”, “Gorilas” e “Comendo Ovos”, participaram de festivais importantes no Brasil e no exterior. Em 2003, participa da Primeira Semana da Moderna Dramaturgia Brasileira em Londres, no Royal Court Theater, com seu texto “Sete Vidas de Santo”. É dramaturgo colaborador do Grupo X, autor de “Cidadão de Papel” e “Prometeu Enjaulado!”.

evanEvan Aires – ator pelo Incenna – Escola de Teatro e Televisão. Com carreira em artes, cinema e espetáculos.

É sócio-diretor da empresa Entusiasmo Entretenimento, que pode ser visitada no site www.entusiasmoentretenimento.com.br.

POR DENTRO DA MÍDIA, ARTE E ESSÊNCIA NA COMUNICAÇÃO, O ATOR EM CENA. Com EVAN AIRES é um espaço para você acompanhar uma vez todos os sentidos da vida com arte.

Que passa pelas ruas, casas teatrais e espaços culturais. São registros do ator Evan Aires, sempre em cena.

POR DENTRO DA MÍDIA, Arte e essência na comunicação, com EVAN AIRES

Para acompanhar as matérias de Evan Aires, clique em Arte e essência na comunicação.