CASCUDO E LOAS EM CAMPO E O MUNDO PEGANDO FOGO

Certa vez, o sanfoneiro Sivuca me contou que fizera parte de um trio musical chamado O Mundo Pegando Fogo. Desse grupo participavam, além dele, Hermeto Pascoal e seu irmão Zé Neto.

Hermeto é sanfoneiro e multitudo musical, como todo mundo sabe.

Zé Neto é pianista.

Por que lembro disso?

Simples: o mundo hoje, mais do que nunca, está pegando fogo. A Grécia, por exemplo, está numa enrascada de fazer dó. Dó de dor, não musical.

Lá vai o CASCUDO

No Brasil vê-se o que se vê: o legislativo brigando com o judiciário e, no meio dessa briga, o governo impotente da dona Dilma, que, aliás, outro dia andou saudando a modo muito próprio, a nossa mandioca de sempre.

Por falar em mandioca, lembro que no belo livro Iracema, do cearense José de Alencar, há uma passagem em que a mandioca é citada.

Falei Iracema?

Agora são as LOAS

Pois bem, esse livro clássico, lançado a público em 1865, começa assim: “Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba. Verdes mares que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros. Serenai, verdes mares, alisai com doçura a vaga impetuosa para que o barco aventureiro, manso, resvale a flor das águas”.

É uma história muito bonita, de conteúdo indigenista, que trata, mesmo ficcionalmente, de um pouco da história dos primeiros habitantes desta terra. Pelas páginas deste livro se movimentam o guerreiro branco Martim e a “virgem dos lábios de mel” Iracema, ora de olhos verdes, azuis e negros como “as asas da graúna”.

É uma história que tem muito a ver com o Brasil. Inclusive no tocante à nossa cultura popular.

Você sabia que é de autoria do mesmo José de Alencar o romance também indigenista O Guarani, que virou tema da primeira ópera do paulista Antônio Carlos Gomes, estreada no Ala Scalla, de Milão, em 1870?

Ler é sempre bom.

 

 

assis-1