A VIDA É TOUCH !

images Imagem: Sala de interatividade no Museu da Língua Portuguesa

Ouvi :

“Parte imensa dos jovens que vão fazer estilismo ou moda na universidade é porque quer se distanciar de matemática”.

Bobagem, corre o risco de calcular mal seu próprio salário e suas dívidas.

“Parte considerável dos que vão fazer engenharia, treme diante da língua portuguesa na hora de redigir um texto de quatro linhas”. E virou moda criticar a norma culta, defendendo pretensa simplificação, porque é mais fácil e conveniente menosprezar o português do que aprendê-lo.

Melhor enfrentar o monstro de Camões porque escrever mal um email passa péssima imagem.

“A maioria não quer por a mão na massa, quer apenas ficar nos projetos diante de telas de computadores”.

Não sei o que leva essa gente a não querer “amassar barro”. Não conheço um Michelangelo, um Aleijadinho, um Picasso por aí que não tenha saído com a roupa suja do trabalho e a alma lavada de ter feito arte pura com as próprias mãos.

Em algum momento da vida recente, tratamos os jovens como promessas certas da pós-modernidade, talentos sobrenaturais porque apenas conectados às novas tecnologias e redes sociais. Eles acreditaram nisso. Mas não são nada além de terra descansada que precisará se mostrar fértil.

Embora pretensiosos, só serão alguma coisa quando provarem. E isso demanda tempo e trabalho. Muito dos dois.

A vida é “touch”. Tem que por a mão.

adalberto